a Educação Infantil Brasileira

Os primeiros anos na vida de criança são fundamentais para a construção de habilidades cognitivas e socioemocionais que serão carregadas por ela até a fase adulta. Nesse período, existem muitos atores que podem impedir um desenvolvimento pleno e, consequentemente, na diminuição ou no aumento da desigualdade social na sociedade.

A educação infantil (um desses principais atores influentes) é divida em 3 fases: até os três anos de idade, com as creches; aos 4 e 5 com a pré-escola e, a partir dos 6 anos, com o ingresso no ensino fundamental. Diante da importância de tais instituições fica a questão:

Qual é a realidade da primeira infância em um país tão imenso e desigual como o Brasil? O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), responsável por tais estatísticas, apresenta uma série de indicadores que demonstram a realidade e aponta demandas. Dê uma olhada nelas abaixo!

O Cenário da Educação Infantil Brasileira

De acordo com o Censo Escolar, referente a 2017, as 67,8 mil creches atuantes no Brasil (soma das públicas e privadas) atendem apenas 30,4% (3,4 milhões de crianças) da população dessa faixa etária. As privadas — inacessíveis às famílias carentes — totalizaram 40,6% do total de creches, número que corresponde a 27,1 mil instituições.

No âmbito das instituições públicas, a infraestrutura para a educação infantil brasileira nos primeiros anos de vida é responsabilidade dos municípios, o que explica parte da carência de creches, uma vez que as prefeituras estão no nível de administração pública mais sensível a verbas.

Já o cenário da pré-escola é um pouco melhor, 90,2% da população na faixa etária é atendida, esse número corresponde a 5,1 milhões de alunos. Quase um quarto das matrículas são em ensino particular (23,2% ou 1,1 milhão de estudantes).

Os primeiros anos do ensino fundamental (6 a 10 anos de idade) são o período de maior cobertura, em que 115,4 mil escolas atendem 99,5% da população — 10,8 milhões de crianças na rede pública e 4,9 milhões no ensino particular.

Educação em outros países

Países que são referência em educação infantil, como Finlândia e Japão, praticam modelos bem distintos do formato brasileiro. Em 2017, tais países ocuparam, respectivamente, primeiro e segundo lugar no ranking da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que abrangeu 35 países; o Brasil ficou com a 34ª colocação. Trabalhar conteúdos de maneira interdisciplinar, garantir pensamento crítico, cidadania e responsabilidade, na prática, são alguns pontos de destaque.

O status e a remuneração dos professores são outros pontos que refletem diretamente nesse sucesso. Por aqui, de acordo com o levantamento do Inep, apenas 78,4% (1,7 milhão) dos 2,2 milhões de profissionais ativos na educação básica do Brasil possuem ensino superior completo. Além disso, a população brasileira é a que menos valoriza docentes.

Trabalho coletivo e interdisciplinaridade

Enquanto isso, o Japão incentiva o trabalho coletivo e cuidado com a escola, desenvolvendo assuntos como economia doméstica e debates, que ajudarão as crianças a se transformarem em adultos autônomos e preparados. Na Finlândia, um mesmo assunto pode gerar aprendizado em matemática, sociologia e história.

Apoie os primeiros anos de vida

Há estudos que comprovam que o investimento na primeira infância é determinante, ainda que a situação da educação infantil brasileira do país sugira o contrário. A qualidade do ensino nos primeiros 6 anos de vida traz inúmeros benefícios:

  • capacidade cognitiva acelerada;
  • estimula comportamentos sociais saudáveis e responsáveis (menores índices de obesidade, hipertensão, doenças cardíacas, envolvimento com criminalidade, álcool e cigarro);
  • aumenta o QI (Quociente de Inteligência);
  • e melhora a perspectiva de futuro (diferença de até 25% no rendimento na vida adulta).

Assim, é inegável que a construção de uma sociedade com menos desigualdade social passa pela primeira infância. É de fundamental importância proporcionar vínculos saudáveis com adultos preparados, que estimulem e facilitem o processo de descoberta do mundo.

Responsabilidade social

A sociedade como um todo tem responsabilidade neste cenário, exercendo a democracia por meio da vigilância e cobrança de políticas e investimento público junto às autoridades locais. Bem como apoiando as entidades sociais não governamentais que atuam fortemente para suprir a demanda latente das famílias em situação de vulnerabilidade social, que não têm condições de fornecer a estrutura necessária aos menores.

A partir de projetos financiados por doações recorrentes e apadrinhamentos (valor fixo acessível destinado mensalmente), crianças que antes estavam imersas nas mais diferentes situações de vulnerabilidade social passam a ter seu potencial desenvolvidos e direitos garantidos. São projetos que transformam vidas, pois dão a chance de que elas vivenciem atividades saudáveis que trarão novos horizontes, percepções e possibilidades para essas crianças.

Investir na primeira infância é proporcionar mais qualidade de vida aos pequenos, o que será refletido em uma sociedade mais segura, mais desenvolvida e mais justa. Adultos responsáveis e atuantes são consequência de um desenvolvimento saudável.

Related Posts

Deixe um comentário